Biomassa e tecnologias de adensamento para aplicação energética

Sandra Moraes

Resumo

A mitigação dos impactos ambientais causados pelo uso expressivo de combustíveis fósseis tem se tornado cada vez mais urgente, e sua substituição inevitável. A biomassa se apresenta como uma promissora fonte renovável de energia, o que é demonstrado pelo percentual de participação da biomassa na matriz energética brasileira, da ordem de 9 % do total de cerca de 83 %. Isso representa 15.118 MW produzidos por 572 usinas de biomassa, com destaque para o uso de bagaço de cana-de-açúcar. Porém, em função da sua heterogeneidade e baixa densidade bulk o seu uso in natura apresenta desvantagens energéticas quando comparada com o petróleo ou carvão mineral, por exemplo. Dessa forma, o presente trabalho contemplou a avaliação da viabilidade técnica de adensamento, por peletização e briquetagem, de três diferentes biomassas: serragem de madeira, bagaço de cana e poda de árvore. Os produtos adensados apresentaram maior densidade energética em relação às biomassas in natura, valores satisfatórios de durabilidade mecânica, indicando que é possível obter produtos adensados com resistência ao manuseio e alta densidade energética a partir das biomassas avaliadas. Entretanto, ficou evidenciado que fatores como granulometria e umidade têm impacto importante no tipo de tecnologia de adensamento a ser utilizado, afetando diretamente a qualidade do produto, bem como a rota de processo a ser utilizada. A escolha da melhor configuração de parâmetros de processo e das características necessárias na preparação da biomassa a ser adensada são fatores determinantes para a viabilização técnica e econômica do uso desse tipo de material como fonte energética.

Texto completo:

PDF

Número de visualizações: 325

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Sistema de Informações de Geração da Aneel – SIGA. Disponível em: https://www.aneel.gov.br/siga. Acesso em: 01 ago. 2020.

ANUÁRIO DE INVESTIMENTOS NO RIO GRANDE DO SUL. Braspell Bioenergia investe R$ 1,4 bi em nova fábrica. Jornal do Comércio, Porto Alegre, Brasil, 29 nov. 2019. Disponível em: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/especiais/anuario_de_investimentos_2019/2019/11/714417-braspell-bioenergia-investe-r-1-4-bi-em-nova-fabrica.html. Acesso em: 01 ago. 2020.

BELLOTE, A. F. J.; ANDRADE, G. de C.; MOLINARI, H. B. C.; ROCHA, J. D.; SILVA, M. L. B. da; STEINMETZ, R. L. R.; FAVARO, S.P. Biomassa e sua participação na matriz energética brasileira..In: ENERGIA limpa e acessível: contribuições da Embrapa. Brasília,DF; Embrapa, 2018. p. 23 – 33.

BHATTACHARYA, S. C.; SETT, S.; SHRESHTHA, R. M. State of art for biomass densification. Energy Sources, Bristol, v.11, n.3, p.161-182, 1989.

BOYLE, G. Renewable energy: power for a sustainable future. 2.ed. Oxford: Oxford University Press, 2004,

BRITO, J.P.O.; BARRICHELO, L. E. G. Características do eucalipto como combustível: análise química imediata da madeira e da casca. Scientia Forestalis. Piracicaba: IFPE, n. 16, p. 63-70, 1978.

BRASPELL BIONERGIA. Consulta geral a homepage oficial. Disponível em http://braspell.com.br/. Acesso em: 01 ago. 2020.

CARDOSO, B. M. Uso da biomassa como alternativa energética. 2012. 112 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Elétrica) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

COPERGAS. Tarifas Copergas. 2020. Disponível em: https://www.copergas.com.br/atendimento-ao-cliente/tarifas/. Acesso em: 10 abr. 2020.

CORTEZ, C. L. Estudo do potencial de utilização da biomassa resultante da poda de árvores urbanas para a geração de energia: Estudo de caso: AES Eletropaulo. 2011. 246 f. Tese (Doutorado em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Energia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

EDENHOFER, O.; PICHS-MADRUGA, R.; SOKONA, Y.; SEYBOTH, K.; MATSCHOSS, P.; KADNER, S.; ZWICKEL, T.; EICKEMEIER, P.; HANSEN, G.; SCHLOEMER, S.; VON STECHOW, C. (Ed.). Renewable energy sources and climate change mitigation: special report of the intergovernmental panel on climate change. Nova York: Cambridge University Press, 2012.

EN PLUS®. Consulta geral a homepage oficial. Disponível em: https://www.enplus-pellets.eu/en-in/. Acesso em: 01 ago. 2020.

FILIPPETTO, D. Briquetagem de resíduos vegetais: viabilidade técnico-econômica e potencial de mercado. 2008. 74 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento de Sistemas Energéticos) - Pós-graduação da Faculdade de Engenharia Mecânica, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2008.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS – FAO. FAOSTAT: Forestry Production and Trade. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#data/FO/visualize. Acesso em: 01 ago. 2020.

FREDERICCI, C.; LENZ e SILVA, G. F. B.; INDELICATO, R. L.; FERREIRA NETO, J. B.; RIBEIRO, T. R. LANDGRAF, F. J. G. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CERÂMICA, 56, 2012, Curitiba. Anais[...] São Paulo: ABC. 2012.

GARCIA, D. P. et al. Mapa dos produtores brasileiros de biocombustíveis pellets. Brazilian Journal of Biosystems Engineering, v. 12, n. 4, p. 333–339, 2018.

GARCIA, D. P. et al. Mapa dos produtores brasileiros de biocombustíveis pellets. Disponível em: https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=14YzGIicywFgl9SC6CF579JX-J34&hl=en_US&ll=-29.21472722120234%2C-54.91353260732116&z=6. Acesso em: 01 ago 2020.

GAVIRIA, J. C. Pelletizar madera, una forma económica y ecológica de producir commbustible. 2007. Disponível em: https://www.engormix.com/MA-balanceados/fabricacion/articulos/pelletizar-madera-forma-economica-t1778/801-p0.htm. Acesso em: 01 dez. 2015.

KALIYAN, N.; MOREY, R. V. Densification characteristics of corn stover and switchgrass. Transactions of the ASABE, v.52, p. 907-920, 2009.

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY – IEA. Global energy review 2020. Disponível em: https://www. iea.org/reports/global-energy-review-2020/renewables. Acesso em: 01 ago. 2020.

INTERNATIONA ORGANIZATIO FOR STANDADIZATION. ISO 17225-2: Solid biofuels: fuel specifications and classes - Part 2: Graded wood pellets. Alemanha, 2014.

KOSMAN, K. Global Heating Wood Pellet Demand: Current and Projection. Madison’s Report, Vancouver, Canada, 2019. Disponível em: https://madisonsreport.com/2019/11/08/global-heating-wood-pellet-demand-current-and-projection/. Acesso em: 01 ago. 2020.

LETHIKANGAS, P. Quality properties of pelletized sawdust, logging residues and bark. Biomass and Bioenergy, Uppsala, v.19, n.20, p.351-360, Aug. 2001.

LOUÇÃO, I. J. G. Valorização da biomassa florestal, proveniente da doença de nematódeo de pinheiro, para produção de pellets. 2008. 187 f. Dissertação (Mestrado em Bioenergia) - Faculdade de Ciências de Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2008.

MACIEJEWSKA, A.; VERINGA, H.; SANDERS, J.; PETEVES, S. D. Co-firing of biomass with coal: constraints and role of biomass pre-treatment. 2006. Disponível em:http://www.canadiancleanpowercoalition.com/files/7712/8330/1763/BM2%20-%20EUR22461EN.pdf. Acesso em: dez. 2015.

MORAES, S.L; FERREIRA NETO, J. B.; BOCCALINI, M.. Viabilização do uso de biomassa como fonte energética - estudo do pré-tratamento físico de biomassa. São Paulo: IPT, 28 abr. 2016. (Relatório Técnico n. 146 052-205).

NOGUEIRA, L. A.; LORA, H. Dendroenergia: fundamentos e aplicações. 2.ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2003.

PALLEBRAS (São Paulo). Cotação de fornecimento. Disponível em: https://pallebras.com.br/. Acesso em: 19 nov. 2019.

PEREIRA, B. L. C. Propriedades de pellets: biomassas, aditivos e tratamento térmico. 2014. 74 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Florestal, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2014.

PELLETBRAZ. Cotação de fornecimento. 2020. Disponível em: http://pelletbraz.com.br/. Acesso em: 29 jul. 2020.

PIETSCH, W. Agglomeration processes – phenomena, technologies, equipment. Wiley-VCH Verlag GmbH, Weinheim. Germany, 2002.

QUIRINO, W. F. Briquetagem de resíduos lignocelulósicos. Brasília: LPF/IBAMA, 1991. (Circular Técnica, 2).

RUMPF H. The strength of granules and agglomerates. Knepper WA. Aglomeration. 1962.

SAMPAIO, J. A.; COSTA, L. S.; ANDRADE, M. C. de. Ensaios contínuos de briquetagem em bancada e piloto - Aglomeração. Part, IV. Rio de Janeiro: CETEM, 2007. Cap. 22. p. 379.

SAMSON, R.; MANI, S.; BODDEY, R.; SOKHANSANJ, S.; QUESADA, D.; URQUIAGA, S.; REIS, V.; HO LEM, C. The potential of C4 perennial grasses for developing a global BIOHEAT industry. Critical Reviews in Plant Sciences. v.24, p.461- 495. 2005.

STELTE, W.; HOLM, J. K.; SANADI, A. R.; BARSBERG, S.; AHRENFELDT, J.; HENRIKSEN, U. B. A study of bonding and failure mechanisms in fuel pellets from different biomass resources. Biomass e Bioenergy, v. 35. p. 910-918, 2011.

TUMULURU, J. S.; WRIGHT, C. T.; KENNY, K. L.; HESS, J. R. A review on biomass densification technologies for energy application. Idaho National Laboratory of U. S. Department of Energy. 2010.

VOENGELE, E. Report: EU demand for wood pellets continues to grow. Biomass Magazine, Grand Forks, ND, 05 ago. 2019. Disponível em: http://biomassmagazine.com/articles/16371/report-eu-demand-for-wood-pellets-continues-to-grow. Acesso em: 01 ago. 2020.

WERTHER, J.; SAENGER, M.; HARTGE, E.-U.; OGADA, T.; SIAGI, Z. Combustion of agricultural residues. Progress in Energy and Combustion Science, v. 26. p.1-27. 2000.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.