Desempenho térmico de veículos refrigerados na distribuição de salmão fresco: na rota de longa distância do chile ao brasil

Eduardo Luiz Machado, Carlos Vieira Leite

Resumo

Uma quantidade de salmão fresco, equivalente a 70 carretas, chegam semanalmente do Chile através das rodovias brasileiras. Como objetivo específico a distribuição de temperatura no transporte refrigerado foi mapeado, as causas prováveis da variação de temperatura foram identificadas e medidas para reduzir o risco de eventos que possam afetar a variação de temperatura foram propostos. Foi realizada uma revisão bibliográfica abordando produtos derivados do salmão, a importância da cadeia do frio e as ferramentas de qualidade com o objetivo de reduzir o risco de perda do produto (salmão fresco) decorrente  da variação de temperatura durante um trajeto de longa distância em transporte rodoviário refrigerado. A metodologia de estudo utilizada foi a pesquisa - ação, em que o pesquisador amparado  na revisão bibliográfica  colaborou no desenvolvimento da solução de um problema real no qual está inserido, buscando apresentar resultados e, concomitantemente com a ação,  construindo conhecimento científico e acadêmico aplicado. Constatou-se que o frio não é distribuído uniformemente no interior da câmara frigorífica durante o trajeto, onde o gradiente de temperatura foi quantificado. A análise crítica dos resultados obtidos no processo de transporte foi realizada. Foi construído um diagrama de Ishikawa que apresenta as causas prováveis de maior relevância, com destaque para as falhas humanas na condução dos  transporte refrigerado (carreta, sistema de refrigeração e veículo refrigerado), como a causa mais provável do problema do desequilíbrio do gradiente de temperatura. A negligencia, a imperícia e a imprudência são os maiores responsáveis. Outro ponto relevante é a inexistência de um órgão regulador que obrigue a certificação periódica dos veículos e seus respectivos sistemas de refrigeração. Esse é um problema que até o presente momento parece não ter solução a curto e médio prazo. Sugestões práticas são propostas.

Texto completo:

PDF

Número de visualizações: 129

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DE CAMARÃO – ABCC. Balança Comercial de Pescado, n. 12, dez. 2017 Disponível em: http://abccam.com.br/wp-content/uploads/2018/01/ABCCBalan%C3%A7a-Comercial-de-Pescado-N.-12-Dezembro-2017.pdf. Acesso em: 06 mar. 2018.

ALICEWEB - Portal do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em: http://aliceweb.mdic.gov.br/. Acesso em: 26 abr. 2015.

ASHBY, B.H. Protecting perishable foods during transport by truck. Agricultural Marketing Service, Washington, 1995. Reprinted July 2008. (Handbook, n. 669, Sept. 1995). Disponível em: https://www. ams.usda.gov/sites/default/files/media/TransportPerishableFoodsbyTruck%5B1%5D.pdf. Acesso em: 29 abr. 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 14701. Transporte de produtos alimentícios refrigerados: procedimentos e critérios de temperatura. Rio de Janeiro: ABNT, 2001. 7 p.

______. NBR 15457. Implementos rodoviários - Carroceria termicamente isolada - Desempenho térmico. Rio de Janeiro: ABNT, 2012. 9 p.

ATP Agreement on the international carriage of perishable foodstuffs and on the special equipment to be used for such carriage (ATP). Geneva, 1970. Disponível em: https://www.unece.org/fileadmin/ DAM/trans/main/wp11/wp11fdoc/ATP-2011_final_e.pdf. Acesso em: 19 set. 2015.

BAPTISTA, P. Higiene e segurança no transporte de produtos alimentares. Guimarães: Forvisão - Consultadoria em Formação Integrada, 2006.

COULOMB, D. Refrigeration and the cold chain serving the global food industry and creating a better future: two key IIR challenges for improving health and environment. Trends in Food Science & Technology, v. 19, p. 413-417, 2008.

CRUZ, João S. B. Ensaio térmico de um veículo sob temperatura controlada. 2009. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) – Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, Lisboa, 2009.

ESTRADA-FLORES, S.; EDDY, A. Thermal performance indicators for refrigerated road vehicles. International Journal of Refrigeration, v. 29, n. 6, p. 889-898, 2006.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. Food outlook: biannual report on global food markets. Rome: FAO, 2014. 10p.

______. The state of world fisheries and aquaculture. Rome: FAO, 2016. 199p.

HEAP, R. D. Cold chain performance issues now and in the future. IIR Bulletin, n. 4, p. 1-11, 2006.

______; KIERSTAN, M.; FORD, G. Food transportation. London: Blackie Academic & Professional, 1998.

HIRA, R. Manual de transporte frigorificado. São Paulo: Thermoking, 2001. 78 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Disponível em: http://www.ibge.com.br/ home/. Acesso em 19 set. 2015.

INTERNATIONAL INSTITUTE OF REFRIGERATION – IIR. Temperature indicators and time-temperature integrators: 3rd informatory note on refrigeration and food. Paris: IIR, 2004. 3 p.

LEITE, Carlos Vieira. Análise do gradiente de temperatura no interior de um veículo de transporte de carga alimentícia com salmão fresco, no trajeto Chile – Brasil. 2016. 124f. Dissertação (Mestrado em Processos Industriais) - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, São Paulo, 2016.

LOPES, R.L.T. Dossiê técnico: conservação de alimentos. Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas, 2007.

MATA-LIMA, H. Aplicação de ferramentas da gestão da qualidade e ambiente na resolução de problemas: apontamentos da disciplina de sustentabilidade e impactes ambientais. Funchal, Portugal: Universidade da Madeira, 2007.

MIGUEL, P.A.C. Qualidade: enfoques e ferramentas.1 ed. São Paulo: Artliber, 2006.

NEVES FILHO, L.C. Algumas questões sobre tempos de resfriamento e congelamento. Revista Nacional da Carne, São Paulo, v. 30, n. 353, p. 86-102, 2006.

______. Refrigeração e alimentos. Campinas: Faculdade de Engenharia de Alimentos UNICAMP, 1997.

______. Refrigeração e alimentos. Campinas: Faculdade de Engenharia de Alimentos UNICAMP,2004.

PEREIRA, V. F.; DORIA, E. C. B.; CARVALHO JÚNIOR, B. C.; NEVES FILHO, L. C.; SILVEIRA JÚNIOR, V. Avaliação de temperaturas em câmaras frigoríficas de transporte urbano de alimentos resfriados e congelados. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas-SP, v. 30, n. 1, p. 158-165, 2010.

SIDONIO, L.; CAVALCANTI, I.; CAPANEMA, L.; MORCH, R.; MAGALHÃES, G.; LIMA, J.; BURNS, V.; ALVES JÚNIOR, A.J.; MUNGIOLI, R. Panorama da aquicultura no Brasil: desafios e oportunidades. BNDES Setorial, 2012. v. 35, p. 421-463.

SILVA, G. B. Gestão da cadeia do frio: uma análise de fatores logísticos. Rio de Janeiro: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, 2010. p. 2-68.

TRIPPE, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.