Definição e preparação de corpos de prova de concreto armado destinados a ensaios acelerados de corrosão de armaduras

Adriana de Araujo, José Luis Serra Ribeiro, Juliana Lopes Cardoso, Mayara Stecanella Pacheco, Carlos Alberto da Silva, Cesar Henrique Rufino, Marcos Vinício da Silva Braga, Renata Angelon Brunelli, Thales Gomes Rosa, Zehbour Panossian

Resumo

A corrosão das barras de aço-carbono do concreto armado é considerada um dos maiores problemas na durabilidade das construções civis em ambientes marinhos. Buscando técnicas de mitigação desse problema, foi proposto um estudo para obter dados consistentes sobre o desempenho, em ambiente marinho tropical, de armaduras alternativas às tradicionais de aço‑carbono para utilização em obras novas, quais sejam: aço-carbono revestido (zincado e zincado com revestimento epóxi (revestimento dúplex)) e aço inoxidável AISI 304 e lean dúplex. O desempenho desses materiais também será comparado com armaduras de aço-carbono sob proteção catódica por corrente impressa. Para alcançar os objetivos do estudo proposto, considerou-se de suma importância a concepção e a execução de corpos de prova para a realização dos ensaios de desempenho em condições que representem as condições de instalação das armaduras de estruturas novas em ambiente marinho tropical. Isso foi feito utilizando como referência as normas ASTM G109: 2007 e ASTM A955: 2015 e os resultados de ensaios preliminares que objetivaram avaliar alguns dos parâmetros propostos pelas referidas normas. Considerou-se que essa prática foi importante para evitar erros tanto na concepção como na execução dos corpos de prova.

Texto completo:

PDF

Referências

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. G109: standard test method for determining effects of chemical admixtures on corrosion of embedded steel reinforcement in concrete exposed to chloride environments. Philadelphia, 2007. 6 p. (Reapproved 2013).

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. A955: deformed and plain stainless-steel bars for concrete reinforcement. Philadelphia, 2015. 14 p.

ANACO STAINLESS. Experts in Stainless Steel for Engineering and Construction. Stainless steel reinforcing and related accessories. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2016.

ANDRADE, C.; GARCÉS, P.; MARTÍNEZ, I. Galvanic currents and corrosion rates of reinforcements measured in cells simulating different pitting areas caused by chloride attack in sodium hydroxide. Corrosion Science. 2008, v. 50, n. 10, pp. 2959-2964

ARAUJO, Adriana de. Estudo para o estabelecimento de metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a penetração de agentes agressivos. 2004. 391p. Dissertação de Mestrado – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Área de concentração: Tecnologia e Construção de Edifícios.

ARAUJO, A.; MOREIRA, A. R.; PANOSSIAN, Z. Extensão da vida útil das estruturas de concreto com uso de armaduras de aço-carbono revestidas ou de aço inoxidável. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CORROSÃO, INTERCORR, 2014, Fortaleza. Proceedings... Rio de Janeiro: ABRACO, 2014. 15 p.

ARAUJO, A.; PANOSSIAN, Z.; LOURENCO, Z.. Proteção catódica de estruturas de concreto. Rev. IBRACON Estrut. Mater. [online]. 2013, v. 6, n. 2, p.178-193.

ARAUJO, A.; SILVA SOBRINHO, P.; PANOSSIAN, Z. . Estruturas zincadas por imersão a quente em concreto armado. Corrosão e Proteção, v. 55, n. 12, p.18-254, fev./mar., 2015. 7 p.

DAVIES, K. Impressed current cathodic protection systems for reinforced concrete. In: CHESS, P. (Ed.). Cathodic protection of steel in concrete. London: E & FN SPON, 1998.

BERTOLINI, L.; BOLZONI, F.; GASTALDI, M.; PASTORE, T.; PEDEFERRI, P.; REDAELLI, E. Effects of cathodic prevention on the chloride threshold for steel corrosion in concrete. Electrochemica Acta, v. 54, p. 1452-1463, 2009.

CARMONA, A.; MAREGA, A. Retrospectiva da patologia no Brasil: estudo estatístico. In: JORNADAS EM ESPAÑOL Y PORTUGUÊS SOBRE ESTRUCTURAS E MATERIALES, 1988, Madrid. Proceedings… Madrid: CEDEX, IET, 1988. p. 325-348

DUFFÓ, G. S.; FARINA, S. B.; GIORDANO, C. M. Characterization of solid embeddable reference electrodes for corrosion monitoring in reinforced concrete structures. Electrochimica Acta, v.54, p.1010-1020, 2009.

DAL MOLIN, D. C. C. Fissuras em estruturas de concreto armado: análise das manifestações típicas e levantamento de casos ocorridos no Estado do Rio Grande do Sul. 1988. 107 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1988.

DEUTSCHES INSTITUT FUR NORMUNG. DIN EN 12696: cathodic protection of steel in concrete. Brussels, 2012. 38 p

KNUDSEN, A. et al. Cost-effective enhancement of durability of concrete structures by intelligent use of stainless steel. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON CORROSION AND REHABILITATION OF REINFORCED CONCRETE STRUCTURE, 1998, Orlando. Proceedings… Orlando: FHWA, 1998. p. 8-11.

IPT RT 146 744 205, 2016

LOURENÇO, M. Z. ; SOUZA, C. A. C. Métodos de Proteção e aumento da durabilidade do concreto armado. In: RIBEIRO, D. V. (Ed.). Corrosão em estruturas de concreto armado. Rio de Janeiro: Campus, 2014.

MAGEE; J. H.; SCHNELL, R. E. Stainless steel rebar for concrete reinforcement: an update and selection guide. Advanced Materials and Process, p. 1-3, Oct. 2002.

MCGURN, F. Stainless steel reinforcing bars in concrete. Disponível em: . Acesso em: Abril de 2016.

NEVILLE, A. M. Properties of concrete. 4th ed. Harlow: Pearson Education, 2008.

PEDEFERRI, P. Cathodic protection and cathodic prevention. Construction and Building Materials, v. 10, n. 5, p. 391-402, 1996.

TEXAS INSTRUMENTS. LM138/LC338 – 5-Amp adjustable regulators. maio de 1998. Revisado em abril de 2013. Disponível em: http://www.ti.com/lit/ds/symlink/lm338.pdf. Acesso em: 20 de outubro de 2016.

WANG, X. et al. Analysis of climate change impacts on the deterioration of concrete infrastructure – part 1: mechanisms, practices, modeling and simulations – a review. Canberra: CSIRO, 2010. 84 p.

WEYERS, R. E.; SPRINKEL, M. M.; BROWN, M. C. Summary report on the performance of epoxy-coated reinforcing steel in Virginia. Charlottesville: Virginia Department of Transportation, 2006. 35 p. (Report n. VTRC 06-R29).

Apontamentos

  • Não há apontamentos.