Mobilização social e comunicação em políticas públicas: o caso do Plano Regional de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Baixada Santista (PRGIRS/BS)

Claudia Echevengua Teixeira, Priscila Ikematsu, Letícia dos Santos Macedo, Flávio Sergio Jorge de Freitas, Fernanda Faria Meneghello, Ana Lúcia Buccolo Marques, Marcos Augusto Ferreira Augusto Ferreira, Gabriela Aparecida Rodrigues Romão, Renata Abib Ferrarezi Bernardino

Resumo

O Plano Regional de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Baixada Santista (PRGIRS/BS) foi elaborado de forma participativa, visando a gestão adequada dos resíduos sólidos na região sobre seus aspectos ambientais, econômicos e sociais. O presente trabalho apresenta as estratégias de mobilização social e comunicação, definidas para garantir o envolvimento de diferentes atores da sociedade na elaboração do PRGIRS/BS, divulgar amplamente o processo, os objetivos e os desafios a serem alcançados, e disponibilizar as informações necessárias à participação qualificada da sociedade nas fases decisórias do PRGIRS/BS. As principais ações de mobilização e comunicação adotadas no trabalho foram: (a) identificação de atores; (b) criação do Grupo de Sustentação; (c) definição de ferramentas de mobilização; (d) preparação de atividades para as oficinas; (e) divulgação dos produtos e resultados. Ao longo do processo de elaboração do PRGIRS/BS, aproximadamente 12 eventos abertos ao público como oficinas, audiências públicas, eventos técnicos e reuniões técnicas foram realizados em diferentes cidades da Baixada Santista. O trabalho envolveu mais de 800 pessoas de diferentes segmentos da sociedade (administração pública municipal, estadual e federal, iniciativa privada, órgãos reguladores, universidades, terceiro setor, profissionais autônomos, sindicatos, associações e cooperativas e cidadãos sem vínculos associativos). No total, foram geradas 175 notícias sobre o projeto em diferentes meios de comunicação, sendo a maioria advinda de fontes externas e avaliada como de impacto positivo. Conclui-se que as estratégias de comunicação e mobilização social adotadas foram fundamentais para a correta formulação do problema e para a busca de soluções às questões associadas a resíduos sólidos da Baixada Santista de forma integrada. Contudo, para a aplicação do PRGIRS/BS é fundamental o compromisso e a participação de todos os atores que deverão continuar mobilizados para sua efetiva implantação.

O Plano Regional de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Baixada Santista (PRGIRS/BS) foi elaborado de forma participativa, visando a gestão adequada dos resíduos sólidos na região sobre seus aspectos ambientais, econômicos e sociais. O presente trabalho apresenta as estratégias de mobilização social e comunicação, definidas para garantir o envolvimento de diferentes atores da sociedade na elaboração do PRGIRS/BS, divulgar amplamente o processo, os objetivos e os desafios a serem alcançados, e disponibilizar as informações necessárias à participação qualificada da sociedade nas fases decisórias do PRGIRS/BS. As principais ações de mobilização e comunicação adotadas no trabalho foram: (a) identificação de atores; (b) criação do Grupo de Sustentação; (c) definição de ferramentas de mobilização; (d) preparação de atividades para as oficinas; (e) divulgação dos produtos e resultados. Ao longo do processo de elaboração do PRGIRS/BS, aproximadamente 12 eventos abertos ao público como oficinas, audiências públicas, eventos técnicos e reuniões técnicas foram realizados em diferentes cidades da Baixada Santista. O trabalho envolveu mais de 800 pessoas de diferentes segmentos da sociedade (administração pública municipal, estadual e federal, iniciativa privada, órgãos reguladores, universidades, terceiro setor, profissionais autônomos, sindicatos, associações e cooperativas, e cidadãos sem vínculos associativos). No total, foram geradas 175 notícias sobre o projeto em diferentes meios de comunicação, sendo a maioria advinda de fontes externas e avaliada como de impacto positivo. Conclui-se que as estratégias de comunicação e mobilização social adotadas foram fundamentais para a correta formulação do problema e para a busca de soluções às questões associadas a resíduos sólidos da Baixada Santista de forma integrada. Contudo, para a aplicação do PRGIRS/BS é fundamental o compromisso e a participação de todos os atores que deverão continuar mobilizados para sua efetiva implantação.

Texto completo:

PDF

Número de visualizações: 26

Referências

BELTON, V.; STEWART, T. Multiple criteria decision analysis: an integrated approach. London: Kluwer Academic Publishers, 2001.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 02 ago. 2010a.

BRASIL. Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010. Regulamenta a Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 2010b.

GUERRERO, L. A.; MAAS, G.; HOGLAND, W. Solid waste management challenges for cities in developing countries. Waste Management, v. 33, n. 1, p. 220–232, 2013.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. PRGIRS/BS - Plano Regional de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Baixada Santista. Etapa 2 – Panorama dos Resíduos Sólidos na Baixada Santista (Produtos 2 e 3): ANEXO B – Plano de Mobilização Social e Divulgação Revisado. São Paulo: IPT, 2017. (Relatório Técnico nº 150 013-205).

MENEGHELLO, F. F.; TEIXEIRA, C. E. Plano regional de gestão integrada de resíduos sólidos da Baixada Santista, PRGIRS/BS [livro eletrônico]. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo; Santos: Agência Metropolitana da Baixada Santista, 2018. (IPT Publicação; 3029) 500 Mb ; PDF

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano. Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos. Brasília: MMA, 2011. 289 p. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2017.

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE BERTIOGA. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. Bertioga: PMB, 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS. Mongaguá: PMM, 2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PERUÍBE. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. Peruíbe: PMEBP, 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Praia Grande – PGIRS. Praia Grande: PMPG, 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUBATÃO. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. Cubatão: PMC, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Guarujá. Guarujá: PMG, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHAÉM. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Itanhaém/SP – Versão preliminar. Itanhaém: PMI, 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Santos. Santos: PMS, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de São Vicente PMGIRS-SV. Versão preliminar para consulta pública. São Vicente: PMSV, 2015.

SÃO PAULO (Estado). Lei Federal nº 12.300, de 16 de março de 2006. Institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos e define princípios e diretrizes. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 17 mar. 2006.

SÃO PAULO (Estado). Decreto n° 54.645, de 5 de agosto de 2009. Regulamenta dispositivos da Lei n° 12.300 de 16 de março de 2006, que institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos, e altera o inciso I do artigo 74 do Regulamento da Lei n° 997, de 31 de maio de 1976, aprovado pelo Decreto n° 8.468, de 8 de setembro de 1976. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 5 ago. 2009.

SILVA , R. C. Metodologias participativas para trabalhos de promoção de saúde e cidadania. São Paulo: Vetor, 2002. 41 p.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.